This site will look much better in a browser that supports web standards, but it is accessible to any browser or Internet device.



blog0news


  • Acabar com a corrupção eh o objetivo supremo de quem ainda nao chegou ao poder. (Millor Fernandes)

  • Vislumbres

    Assinar
    Postagens [Atom]

    Powered by Blogger

    Fragmentos de textos e imagens catadas nesta tela, capturadas desta web, varridas de jornais, revistas, livros, sons, filtradas pelos olhos e ouvidos e escorrendo pelos dedos para serem derramadas sobre as teclas... e viverem eterna e instanta neamente num logradouro digital. Desagua douro de pensa mentos.


    sábado, junho 16, 2007

    Chico homenageia Jaguar




    CHICO CARUSO
    Rio de Janeiro


    clique na charge para ve-la maior
    para ver outras charges clique em
    "marcadores: charges"

    Marcadores:

    A Pedrada do Reino

    Fiquei triste com a exibição da mini-série A Pedra do Reino.
    Muito esforço das pessoas, muito dinheiro investido, a coisa interessante de se envolver e incentivar os artesõe locais de Taperoá & artistas ligados a grupos folclóricos,
    dando nesse resultado hermético
    e herético ( no mau sentido) em relação ao universo suassunesco.

    Me entristeceu a perda de excelente oportunidade para levar num veículo de massa doses maciças de cultura brasileira para a massa brasileira
    ou mesmo - como pretendia Luiz Fernando Carvalho em seus discursos - atiçar o olhar dos telespectadores, cutucá-los em formas diversas de pensar e apreender.

    A questão foi o excesso. Isso nao está sendo uma cutucada, está sendo um chega pra lá.

    Reforça o preconceito de que arte é uma coisa chata.

    E triste fiquei também com a transformação de um livro genial, que seria de grande interesse e impacto se fosse mais Ariano e não uma ego trip de LFC.
    Um delírio glauberiano.
    (Aliás, as tomadas de cameras rodando diante de um ser gritando em alto de montanhas & platôs são totalmente Gláuber).

    Gláuber podia ser genial mas era chato.
    Esta adaptação da Pedra do Reino é apenas chato.



    O primeiro capítulo (aquele que deveria seduzir o espectador) foi incompreensível (e para mim, que conheço a história, que tenho costume de saltos & acrobacias narrativos). Para o telespectador em geral, taí o ibope caindo de 23 para nove no decorrer do programa.
    E olha que a Globo finalmente se dispôs a mexer na grade pra colocar mais cedo uma coisa diferente! (outra lástima, quem sabe a emissora nao faz mais isso..)

    O romance "A Pedra do Reino" é imensamente rico. Os cenários, figurinos, a atuação dos atores, vê-se que são de riqueza. Daria para produzir obras excelentes, mesmo que não lineares, mesmo que criadas em cima desse universo. Justamente: criadas sobre o universo e não em dissonância ao universo.

    LFC, claro, pode veicular sua versão do livro (embora eu considere que esteja no veículo errado, as telas pequenas de TV - ainda maioria neste país - são pequenas para tanta movimentação e exageros e overactings). Mas não deveria então ser alardeado como "A-Pedra-do-Reino-de-Ariano-Suassuna" - em meios às comemorações de seus 80 anos - e sim como "LFC recria A Pedra do Reino". Claro que isto não é um título, mas acho que vocês entenderam o ponto, não?

    Na música clássica compositores recriam obras de outros compositores mas as novas versões passam a ser creditadas como "variações de Fulano sobre um tema de Sicrano" ou coisa assim. Aliás, o exemplo musical é útil para o que digo: fez-se no caso da mini-série um remix.
    Que soa como aqueles remixes onde se perde a música original e vira algo mais do mixador do que do autor.

    Por falar em música: vou fazer uma reclamação bem suassuna - o musicário brasileiro é muito rico e totalmente apropriado aos temas da série. Por que enfiar na trilha Kronos Quartet, Tersipchore Ensemble, Gogol Bordello e que tais? Para se mostrar espertinho? Para enfatizar o universalismo do regional? Por ser o que LFC gosta?

    O resultado todo parece ser isso: o que LFC gosta. Seu gosto, suas preferencias, acima do material a ser trabalhado.

    Não há obrigação de adaptações serem fiéis. Mas se for para radicalizar, liquidificar, cara, tem que ser feito com muito talento. E não dá para errar a mão desse jeito. Um pouco de contensão e concisão não fariam mal a essa radicalidade. Ainda mais com o discurso do diretor a respeito das finalidades "educativas" do projeto.
    Os alunos não prestaram atenção.

    Delirou-se aqui mais do que o delírio do Quaderna.
    Delirou-se como os intelectuais deliraram nos anos 60 achando que estavam ensinando ao povo o caminho do seu futuro - só que esqueceram de combinar isso com o povo.



    leia também a opinião de quem destrinchou a fundo o livro, no Leite de Pato

    Marcadores: ,

    quinta-feira, junho 14, 2007

    Ô Vavá! Vavá? Ô Vavá... ô Vavá... Vavá pra PQP!!




    FERNANDES
    São Paulo





    PAIXÃO
    Curitiba





    BENETT
    Curitiba



    clique na charges para ve-la em tamanho maior
    para ver outras charges clique em
    "marcadores: charges"


    Marcadores:

    Relaxando e gozando

    É a comprovação daquela velha piada...



    Marta Suplicy anda tão esticada que se ela abrir muito a boca puxa as pernas pra cima!

    .

    Marcadores:

    Palavras: Martin Amis

    Por algum tempo agora tenho admitido a possibilidade de acreditar que a América esteja enlouquecendo. De sua própria maneira. E por que não ?

    Os países enlouquecem como as pessoas enlouquecem; e por todo o mundo países se esparramam em sofás ou quedam-se em quartos escurecidos mascando dihidricocodeína e Temazepam ou passam o tempo em banhos ferventes ou retorcidos em camisas de força ou parados em pé batendo as cabeças contra as parredes acolchoadas. Alguns foram loucos durante todas suas vidas, e alguns enlouqueceram e depois melhoraram novamente e depois enlouqueceram novamente. América: a América já tivera suas neuroses, como quando tentara largar a bebida, como quando começara a descobrir o inimigo interno, como quando pensara que poderia dominar o mundo; mas sempre melhorara novamente. Mas agora estava enlouquecendo, e essa era a condição necessária.

    De certa forma ela nunca fora como outra parte. A maioria dos lugares são simplesmente algo, mas a América tinha também que significar algo, daí sua vulnerabilidade - ao faz de conta, à falsa memória, ao falso destino. E finalmente parecia que cessara o combate alucinante com a ilusão, e a América perdera.

    - Martin Amis
    "Campos de Londres"
    tradRicky

    Marcadores:

    terça-feira, junho 12, 2007

    Dia dos Namorados é Dia de Mimos



    MELADO
    Belo Horizonte






    NANI
    Rio de Janeiro



    clique na charges para ve-la em tamanho maior
    para ver outras charges clique em
    "marcadores: charges"


    e o blog0news continua…
    visite a lista de arquivos na coluna da esquerda
    para passear pelos posts passados


    Mas uso mesmo é o

    ESTATÍSTICAS SITEMETER