This site will look much better in a browser that supports web standards, but it is accessible to any browser or Internet device.



blog0news


  • Acabar com a corrupção eh o objetivo supremo de quem ainda nao chegou ao poder. (Millor Fernandes)

  • Vislumbres

    Assinar
    Postagens [Atom]

    Powered by Blogger

    Fragmentos de textos e imagens catadas nesta tela, capturadas desta web, varridas de jornais, revistas, livros, sons, filtradas pelos olhos e ouvidos e escorrendo pelos dedos para serem derramadas sobre as teclas... e viverem eterna e instanta neamente num logradouro digital. Desagua douro de pensa mentos.


    sábado, outubro 21, 2006



    AROEIRA
    (Rio de Janeiro, RJ)

    Cabeleira do Allan

    Após semana badalando festas de lançamento de novelas e bastidores de Robbie Williams
    a coluna do Joaquim Ferreira dos Santos abriu hoje com uma gente realmente boa:
    o desenhista Allan Alex, do Nonô Jacaré, de Zumbi dos Palmares,
    parceiro de carioca Patati e do argentino Solano López.

    Allan Alex é desenhista e mora nos arredores da Central do Brasil . "Foi a Central que aguçou a minha percepção para a natureza do ser humano. Aqui se convive com gente de tudo quanto é tipo", diz. Ex-professor de capoeira, ex-camelô, ex-estofador, Allan desenvolve alguns dos albuns de quadrinhos, ao estilo graphic novel, que serão lançados pela Desiderata no ano que vem.

    O primeiro será "Cabeleira", sobre um bandoleiro sanguinário de Pernambuco, que "tocava o terror" em 1700. "Ele faz parte do folclore pernambucano mas existiu mesmo. Foi de um predecessor do cangaço."


    Por falar em museus, muito interessante a ocupação feita por indígenas de um prédio do Museu do Índio.
    Quando o Museu foi transferido para suas atuais instalações em Botafogo, sua sede no bairro do Maracanã, no Rio, ficou abandonado.
    Caindo aos pedaços, ninguém fez mais nada por aquilo.

    Pois representantes de 17 etnias indígenas invadiram o local ontem e se instalaram com pretensões de assumir o espaço e criar seu próprio museu.

    Está largado mesmo, poderia muito bem ficar com eles.
    Um Muaeu do Índio que fosse realmente do índio.

    Noticia aqui

    O passado vai para o catete

    Um dos grandes charmes de perambular pelos jardins do Palácio do Catete, hoje Museu da República (Rio)
    principalmente quando mais vazio
    é se imaginar em outra época.

    Muito desse clima vem dos postes antigos e sua iluminação difusa.
    (Mesmo que sejam pseudo-antigos, são da época de JK)

    Pois estão retirando os postes charmosos e colocando postes estacas de concreto modernos e horrorosos.
    O progresso é irreversível mesmo em museus?

    Alegam questões de segurança
    mas então seria caso de, mais que iluminar melhor, aprimorar os seguranças.

    Mesmo na necessidade irremediável de se iluminar melhor o terreno,
    haveria soluções como
    manter os postes trabalhados
    e colocar refletores ao chão dirigido para os locais mais escuros.
    Tiraria o efeito da luminosidade mas pelo menos durante o dia os postes continuariam compondo o ambiente.

    Enfim, a direção do Museu disse que passou dois anos estudando o caso e aquela é a melhor solução mas eu lamento.




    IOTTI
    (Porto Alegre, RS)

    O candidato transgenico

    Lula, para ampliar seu apoio entre o agrobusiness,
    liberou o plantio de cultivos transgênicos próximos a reservas naturais.

    Algo que sabiamente, até entao, vinha se resguardando.
    Bate um vento, sementes vão dali pra lá, e pronto. Reservas deixam de ser naturais.

    Não vi menção na imprensa quanto a isso.
    Os focos estão sobre debates e dossiers e muito acontece às margens.

    Pela COCHLEA: Bob Dylan - Workingmans Blues

    Obituarios Ideologicos

    A revista Veja
    qual um Alkmin em debate na bandeirantes
    é ensandecida!

    Sua linha editorial tem como uma das diretrizes:
    desbancar desbragadamente tudo que seja "esquerda".
    De forma raivosa, espuma babando da boca.

    Qualquer matéria que seja, acaba tendo esse enfoque.
    Até os obituários servem a este fim!

    Citando exemplos da edição 1978, para terem idéia.
    Cada obituário é curto, contendo duas ou tres frases,
    onde falam do falecido e dão um pau na "esquerda".
    Ao falarem de Gillo Pontecorvo, informam que ele foi um dos grandes nomes do cinema político europeu nos anos 50, 60 e 70
    e aí acrescentam quando a esquerda ainda parecia ter autoridade moral para fustigar os desmandos politicos dos paises capitalistas.

    Com tanta coisa para falar da vida rica de Fernando Gasparian,
    mencionam no obituário Formulou a emenda à Constituição que limitava os juros em 12% ao ano
    e acrescentam uma proposta medieval ressuscitada pela esquerda.

    Morreu um homem mais velho do mundo. (ou um dos) Benito Martinez tinha 126 anos.
    Desde 1925 vivia em Cuba. Em 2005, Fidel Castro converteu-o em astro de uma campanha sobre a longevidade na ilha. Pelo jeito, o castrismo dá azar.
    Quer dizer, o cara morre com 126 anos e a Veja ainda acha que foi por azar!
    Um azar inclusive que levou um ano para fazer efeito...

    Na Veja, as pessoas quando morrem só tem importancia pelo o que podem propiciar de comentário anti-esquerdista.

    sexta-feira, outubro 20, 2006

    Alkmin nega graves acusações!




    Privadatizações


    A campanha presidencial transformou-se numa discussão privatização x estatais.
    Privatizar é um anátema ou a salvação do Brasil?

    O que se deveria estar discutindo no momento não é se determinadas empresas deveriam ser privatizadas ou não, ou se a telefonia melhorou, ou se ocorreu maior eficiência, ou se interesses sociais são imcompativeis com busca do lucro, etc.

    O importante é: COMO as privatizações da Era FHC foram feitas.
    Entregou-se empresas como a Vale por preços irrisórios,
    beneficiando o capital
    em detrimento dos fundos do país.
    Um dos motores da onda de privatizações era saldar-se dívidas crescentes
    que não foram saldadas
    inclusive por boa parte do dinheiro ter ido para bolsos particulares.

    Discute-se o conceito de privatização em termos abstratos
    quando o que ocorreu foram casos bem concretos.
    Casos de beneficiamento próprio.
    Casos de polícia.

    Quem vigia os vigias?


    Contratam-se milícias para garantir as fortalezas de consumismo e dá nisso.
    Nisso, no caso, é um segurança de um shopping de Campinas dar um tiro na cara e matar um jovem que zoava no estacionamento.

    A direção do shopping vai dizer que a empresa é terceirizada e vai ficar por isso mesmo.Pois os compradores de Campinas principalmente os jovens deveriam se recusar (pelo menos por um tempo) a saciar seus desejos nesse bebedouro de produtos, ou seja, simplesmente ninguem deveria ir mais a este shopping.




    KACIO
    (brasilia, DF)

    Colisão de informações


    A ânsia da imprensa por informações
    - ainda mais em se tratando de fato retumbante como trombada entre aviões, com tantos mortos, com tanto drama, e seus mistérios -
    tem sua contrapartida na vontade de aparecer e de pontificar das autoridades que investigam os fatos.

    A toda hora temos entrevistas com fatos novos, ou a reciclagem de dados divulgados.
    As caixas-pretas estão cheias de furos.

    O correto seria investigar primeiro, apurar, concluir, sugerir, encaminhar às vias adequadas,
    e somente então discorrer-se sobre as conclusões.
    Inquérito em andamento deveria ser assim.

    O debate do SBT


    Ficamos pedindo que os candidatos apresentassem propostas e falassem do seus plano para o governo
    ao invés de ficarem atacando o outro e debatendo insultos e acusações

    Mas aí o debate ficou chato.
    O de ontem foi um desfilar de números
    cansativos que perdem o sentido.

    Fala sério!


    Você achar mesmo que dá para confiar num candidato... COMB OVER????



    Na faixa

    Os publicitários que me desculpem, mas adorei a cidade de são paulo ter descartado os seus outdoors. O excesso de informação visual nas ruas urbanas brasileiras é estonteante. Para alguns é uma estética vertiginosa própria de metrópoles.
    Já eu considero agressão gritante aos olhos.
    Cartazes, faixas, outdoors, paredes de prédios virando reclames, slogans, logotipos, letras pintadas, nomes de empresas e marcas de produtos e modelos e preços

    No Rio, uma medida dessas é impossível, com nosso prefeito avido por sempre faturar em todos os centímetros e pontos disponíveis.
    Na paisagem do Aterro temos o Pao de Açúcar e um balão da Coca-Cola
    (breve, uma logo na propria pedra do Pão)
    e até faixas de pedestres anunciam artistas para a Tim!

    Não se pode nem atravessar uma rua sem ser atropelado por uma publicidade.

    quinta-feira, outubro 19, 2006

    Os alkminstas não estão chegando

    O Alkmin, quando reage, não consegue encontrar o tom.

    Num esforço para não se mostrar privatizador, e que na verdade ama de coração empresas estatais como Correios e Banco do Brasil, apareceu em público com uma roupa surreal coberta de logotipos dessas empresas.

    Seus marqueteiros devem ter achado isso genial.
    Ficou ridículo.

    Parecia um desses corredores de Fórmula Um repartindo seu espaço vestimental entre patrocinadores.




    ANGELI
    (São Palo, SP)

    O voto ao contrário

    Nesta campanha presidencial os candidatos não se definem per si
    mas sim o que são em relação ao outro
    Vota-se então não num candidato
    mas sim no seu contrário?

    Um quer ser presidente porque o outro é corrupto.
    Outro diz que é melhor porque o o outro é privatizante.

    Nenhum diz o que ele mesmo é.
    Ou o que vai fazer.
    Com o país.


    Pela COCHLEA: Ricke lee Jones - The Low Spark of High Heeled Boys


    Humus

    Começou o tempo das chuvas, a água permeando tudo, as coisas apodrecendo,
    a umidade pesada como uma parede de ar
    encharcados
    corremos entre píngos e lufadas
    o madeirame estala resfolegando liquens
    liquidos escorrem pelas paredes
    musgos nas pedras
    limo no chão
    chuva

    chuvarada
    terra molhada
    lama nas botas

    lama na cama.

    quarta-feira, outubro 18, 2006

    Lula já está pronto para os próximos debates!



    foto de Marco Antonio Teixeira

    Palavras

    Vem sendo criada no cativeiro livre da web uma geração sem papas na língua ou interesse pelo confronto de idéias. Não passa pela cabeça dessa turma a hipótese de aprender alguma coisa com alguém. A garotada de hoje não sabe, sinceramente, que não sabe. A internet lhe dá o poder absoluto e infinito da onipotência. E quem é você para discordar?

    Fechados em pequenas comunidades temáticas, adeptos da linguagem abreviada dos chats e torpedos SMS, os jovens que atingiram a adolescência nos últimos cinco anos de avanços fantáticos na web estão desaprendendo a conversar. A agressão verbal é o único recurso disponível para enfrentar alguém que pense diferente.

    (..)

    Opinião, aprendi com meus mestres em jornalismo, é boa quando desperta discussão, troca de idéias, contraditórios e até xingamentos. Vivemos o fim de uma era em que todo debate partia da premissa: "Entendi o que você quis dizer e discordo".


    - Tutty Vasques




    NANI
    (Rio de Janeiro, RJ)

    terça-feira, outubro 17, 2006

    Campanha de Lá

    Nelson de Sá, no Toda Midia, tem razão:
    falta cratividade e principalmente humor nessas campanhas eleitorais tão rancorosas.

    Veja o exemplo que ele cita de um bom anúncio para os democratas americanos.

    Kim Transit Gloria Mundi

    Vejo essas imagens norte-coreanas...
    cartazes gigantescos, rostos de líderes onipresentes,
    as formações militares em marchas precisas de machos e de machas
    as multidões sincronizadas
    o culto

    me maravilho disto ainda existir
    anacronico

    Sabemos como terminam essas histórias
    estátuas derrubadas
    cartazes pisoteados
    golpes de marretas sobre monumentos
    foices ceifando mitos
    tumulos cuspidos

    Vã essa gloria esse terror o dominio carregado
    de pavor e pobreza cinzenta
    A história é inexoravel e a mão pesada vira pó.

    Poeira de lembranças dolorosas
    roda pé numa página de quem quis ser eterno.

    Pela COCHLEA: The Killers - Jenny was a friend of mine

    As versões puLulam

    Em entrevista aos colunistas de O Globo,
    Lula disse que não chegara a perguntar aos envolvidos no escândalo do dossier se eles conheciam a origem do dinheiro.
    Miriam Leitão teria perguntado especificamente: Nem ao Berzoini?
    Nem ao Berzoini, disse então o Lula.

    No programa Roda Viva que foi ao ar nesta segunda,
    Lula conta que deimtiu Berzoini de suas funções depois de perguntar a ele sobre a origem do dinheiro e o dito cujo responder que não sabia nada disso.

    E agora?

    Será que existem dois Lulas morando naquele palácio?

    De tanto contar mentiras o mentiroso se esquece qual era a verdade combinada como verdadeira.

    Comentários que acabam virando posts

    Amorim lembra que Ivan Lessa também pode ser lido nesses tempos de internet no endereço abaixo

    Ivan Lessa

    (Já o Amorim pode ser lido em seu novo blog,
    aqui.)

    Palavras

    Bengalo-me por um ou dois quarteirões da Vieira Souto. O verbo "bengalar" não existe, mas eu uso uma bengala e, como estou no Brasil, passa a existir. Aqui se inventa, aqui se dá asas ao homem, aqui se planta, aqui se dá. Mas eu me bengalava. Pego um táxi. Sugiro uma volta pela praia com voz tristonha de manco (para que não me assalte e mate), mesmo sentado no banco de trás. Peço que vá devagar. De onde dá para se ir, no Arpoador, aquele edifício pó de pedra, que era o único que driblava o gabarito de quatro andares (isso, como tudo o mais, nunca ficou claro) até a subida para a Niemeyer, é uma jaula só. Pobres ricos, pobres elites, pobres classes dominantes, tudo vivendo atrás de grades, guardadas por nordestinos incompetentes com calça azul-marinho e camisa branca puídas. Visualizo as classes abastecidas, à noite, uivando em seu cativeiro. Os porteiros fingindo não ouvir, afiando suas peixeiras. .

    - Ivan Lessa
    "Eu conheço esse cara"

    Marcadores:

    segunda-feira, outubro 16, 2006




    NOVAES
    (São Paulo, SP)


    Freudelança

    Uma das poucas coisas que se tornam claras nesse imbroglio da compra de dossier é a participação de Freud Godoy.
    Parece que ele, embora não seja flor que se cheire - (e eu lá quereria cheirar alguem dessa turma? - nada teve a ver pelo menos com essa história.
    (Parece, pois certezas totais não existem nesse meio, mas não se comprovou nada contra ele).

    A Veja desta semana ressuscita porém de forma irada a figura de Freud como cúmplice (ou até mandante).
    Por que a Veja bate nessa tecla de maneira tão veemente?
    Porque Freud é uma peça central nesse quebra-cabeça e quebra-candidato que se quis montar.
    Freud é ligado diretamente ao Lula e seria a maneira de enlamear diretamente o presidente nesse final de campanha.

    Começa a tomar forma a teoria de que Gedibran não lançou esse nome no ar à toa.

    A indagação incessante sobre a origem do dinheiro continua reverberando,
    mas - grasnados de veja à parte - a Operação Freud não colou.
    Ou não decolou.

    Sonhos

    Eu era o perito encarregado de dar o parecer final sobre o impacto ambiental de uma usina a ser construída no Rio Doce
    (região, aliás, onde eu cresci).

    Andei por matas recordando os cheiros e as sensações tão conhecidas mas já afastadas,
    tão distantes que estão próximas como fumaça,
    um bicho correndo daqui,
    uma ave voando pra lá,
    pondo as mãos na árvores e pensando que tudo aquilo iria acabar.

    (Só em sonho mesmo, tudo aquilo deve ter acabado.
    Virou pasto, pastagens, morros pelados, barro ou eucalipto
    ou cicatrizes de minério cinzento rasgando ventres apodrecidos.)

    Por outro lado, ouvia o povo pobre pedindo progresso,
    benfeitorias para vidas mal-acabadas.

    Mas não era um sonho lírico, era como um conto ou filme de ação,
    pressões por todos os lados,
    interesses de fazendeiros com seus jagunços,
    interesses de poderosos com seus dinheiros,
    promessas & ameaças.

    Tinha até o componente romantico, uma bela ambientalista com ideais ainda mais belos.

    Como geralmente acontece, o sonho não teve final,
    não sei qual seria o laudo,

    antes de eu dar um parecer
    o sono foi desaparecer
    partiu e sumiu para onde vão as coisas dormidas.


    e o blog0news continua…
    visite a lista de arquivos na coluna da esquerda
    para passear pelos posts passados


    Mas uso mesmo é o

    ESTATÍSTICAS SITEMETER