This site will look much better in a browser that supports web standards, but it is accessible to any browser or Internet device.



blog0news


  • Acabar com a corrupção eh o objetivo supremo de quem ainda nao chegou ao poder. (Millor Fernandes)

  • Vislumbres

    Assinar
    Postagens [Atom]

    Powered by Blogger

    Fragmentos de textos e imagens catadas nesta tela, capturadas desta web, varridas de jornais, revistas, livros, sons, filtradas pelos olhos e ouvidos e escorrendo pelos dedos para serem derramadas sobre as teclas... e viverem eterna e instanta neamente num logradouro digital. Desagua douro de pensa mentos.


    sábado, outubro 14, 2006

    Candidatos se preparam para o próximo debate









    FRANK
    (Joinville, SC)

    quinta-feira, outubro 12, 2006

    HH


    Começou uma enxorrada de buscas vindo dar aqui neste blog0news procurando por Heloisa Helena.
    Achei estranho, inicialmente, pois a alagoana nem é mais candidata à presidente, saindo de cena no primeiro turno,
    não está à frente de nenhuma CPI ou denúncia, não deixou de usar suas tradicionais vestimentas, etc.

    Depois atinei que deve ser uma horda de internautas procurando pela imagem da montagem que fizeram com HH como es estivesse na capa da Playboy (e com a qual nossos congressistas, seus colegas, babavam idiotamente).

    Bem, não tenho aqui esta imagem - o máximo que posso oferecer é esta excelente caricatura feita pelo QUINHO



    Piauí


    Só por estar publicando novamente Ivan Lessa no Brasil,
    a revista Piauí já vale a pena.

    Ivan Lessa escreve suas impressoes ao voltar pro Bananão depois de tantos anos.
    E, melhor ainda, continua sendo ilustrado pelo Jaguar.


    primeiro desenho de angeli
    segundo desenho de jaguar

    Pela COCHLEA; Joni Mitchell - A case of you




    CAVALCANTE
    (Rio de Janeiro, RJ)

    Comentários que acabam virando posts

    Concordo com o Adailton. Mas o que dizer do presidente do PSDB, Tasso Jerissati? Seu irmão ganhou a Telemar (maior concessão de telefonia do Brasil) de presente - embora seu ramo de atuação fosse outro (shopping Iguatemi, fábrica de fechaduras) e com a pior proposta do leilão. A desculpa de Tasso: "sou brigado com meu irmão". Ah, se é o Lula falando essa merda... voto nulo, yeah.



    Refere-se a este post

    que por sua vez referia-se a este post

    E agora, quem explica?

    Vai se confirmando o que se suspeitava desde o início:
    parece que Freud Godoy nada tem a ver com a compra de um dossier contra Serra.
    Na primeira acareação entre os dois, Gedibran jpa não conseguira confirma a acusação.

    Por que, então, a fez?
    Há versão de que no momento de sua prisão queria livrar a cara de seu chefe, o Lorenzetti, e soltou esse nome incomum, fácil de ser apurado e levar as investigações para outro lado.
    Pode existir um motivo não aventado, quem sabe pessoal,
    ou pode ser que Freud tenha mesmo alguma ligação remota com o imbroglio.

    Mas há também a hipótese de que a entrega de Freud,
    - um envolvido em outros rolos mas não nesse -
    tenha sido um ato deliberado de jogar o escândalo no colo do Lula,
    ao se responsabilizar um assessor direto do presidente e de sua família.
    Confirmando o caráter de armação desta história toda.

    Entre as muitas perguntas envolvendo este caso escuso e aloprado
    - entre elas, a principal, de onde veio o dinheiro -
    tem outra menor que também continua um mistério:
    quando a duplinha gedibran e valdimar foram presos
    já tinham chegado à PF assessores do PSDB, prontos para registrar o fato e alardear o caso.
    Quem avisou a eles? Ou já sabiam o que aconteceria?

    quarta-feira, outubro 11, 2006




    LUTE
    (Belo Horizonte, MG)

    Palavras

    Naquela noite vi mendigos esfarrapados dançarem como duques austríacos, enlançando a cintura de patricinhas ipanemnses enquanto septuagenárias de cabelo roxo balançavam até o chão, cortejadas por moleques de bermuda e parafina no cabelo.

    Nos botecos, camelôs trocavam confidências com guardas municipais que prometiam: "Rapa nunca mais"! Mauriçolas do mercado de capitais rasgavam suas gravatas e bebiam no copo de adolescentes anarquistas com o Che estampado nas camisetas. Membros da Raça Rubronegra, TJV, Young Flu e TJB entrelaçaram as mãos e evoluíram meigos, cantando uma canção de amor sobre um tapete de santinhos estrelados. Aproveitando o embalo, lutadores marombados nocauteavam o pudor e rolavam no calçadão, entre beijos apaixonados com gosto de açaí e granola. Do outro lado, as moças pirilampavam, dando mole sem medo do dia seguinte. Militares aposentados subiam para dançar no baile do Pavão e os soldados da laje baixavam as armas. No céu, pípas voavam sem dono.
    (...)

    No domingo retrasado, votamos sob um silêncio fúnebre. A eleição e a espera dos resultados transcorreram na mais "absoluta normalidade", quase como não tivessem acontecido. As ruas limpas, quietas, sem a mixórdia dos anos anteriores.

    Não vi sequer um adesivo de candidato a presidente preso no vidro deum carro ou numa janela. Só me lembrava que haveria uma eleição pelos hpmens-door, os sujeitos que são pagos para ficar segurando cartaz na rua - e aí pelo menos grande parte dos candidatos já cumpre a promessa de gerar empregos.

    Em 2006 o grito ficou preso e nenhum bloco saiu na rua: todos votaram constrangidos, quase envergonhados, encarando os pés com as maos enfiadas nos bolsos. Da comoção à indiferença de ombros encolhidos, apenas longos quatro anos. Hoje em dia, seja lá o que aconteça na urnas, é como se houvesse a nossa frente um grande e profundo nada: somos um bando de céticos, dançando um baile sem música.

    Saudade enorme daquela noite, quando éramos todos inocentes.


    segunda-feira, outubro 09, 2006

    Chargiistas vão ao debate



    Clique no desenho acima para ver a réplica dos desenhistas brasileiros.

    (Charge de Fernandes)

    Geraldo Alkmin também aderiu à moda dos blogs.
    Bem, pode nem ser ele mesmo que escreva, mas é um ghost-writer com muito senso de humor.

    É aqui: Gerente Chuchu.

    Quem passou essa dica foi Gravataí Merengue

    Comentários que acabam virando posts

    Posso até concordar com Lula que um pai não saiba muito bem das atividades de um filho (o dele, por exemplo, ficou milionário durante o governo dele e ele nem percebeu...). Uma coisa é um ou dois filhos te enganarem. A outra, é você ser passado pra trás por 30 filhos... Todo mundo te sacaneando o tempo todo e você nem desconfiar, por um segundo que seja é o que eu acho inverossímil... Pra mim, não cola.




    Refere-se a este post


    No fim de semana fui visitar meu amigo
    MUSICA DO BEM
    lá de Minas, e um bem danado isso realmente me fez.

    Inda mais porque peguei emprestado com ele o novo Cê do Caetano, o Iaiá da Monica Salmaso, e até o antigo Bidu, do Jorge Ben esquema novo em 67,
    além de coisas de Joe Pass com Ella Fitzgerald, de Oscar Peterson e de Chet Baker!

    Debateboca

    O debate?

    Achei que Alkmin levou a melhor.
    Ele partiu para o ataque direto e Lula por conseguinte ficou se defendendo.
    Em algumas ocasiões transformou suas defesas em contra-ataques
    mas o ritmo do debate acabou ditado pelo chuchu.

    Lula começou nervoso e no final é que foi se soltando,
    em seu característico estilo ironico paz-e-amor-e-cutucada.
    Mas percebe-se que Lula está enferrujado.
    Ultimamente anda mais falando do que ouvindo,
    e isto está lhe pesando.
    Deveria ter feito mais algumas coletivas com a imprensa,
    para ir retomando a prática de ser questionado.

    Mesmo aquela coisa totalme3nte Lula que ele tinha,
    de conseguir se comunicar direto com o espectador,
    de criar identidade com o povão,
    não pintou o debate: falou mais para o Alkmin e não olhava na câmera.

    Alkmin, por sua vez, o insípido, deve ter tido um bom treinamento (Lula falou em aulas de psicodrama) e falou olhando no olho (camera) do espectador e dirigindo-se diretamente para ele: "você, que está aí na sua poltrona".

    Por exemplo: Lula conseguiu encaixar um bom golpe quando, ao ser questionado sobre gastos com publicidade, disse algo assim "Alkmin não deveria nem tocar nesse assunto de gastos com publicidade. É só lembrar do Nossa Caixa". Mas deixou o golpe no ar. O espectador comum não sabe o que é isso. Ou então não se lembra. Lula tinha que ter emendado o tapa de direita logo com um punch de esquerda, detalhando o caso de corrupção que envolvia seu adversário.

    Lula esqueceu que o debate ali era entre ele e Alkmin mas na verdade era para o público.
    Aliás, ambos esqueceram do público. E principalmente da utilidade pública.
    E isso me deixou decepcionado com o debate na Bandeirantes.

    Como bateboca, foi ótimo, movimentado, paulada pra todo lado.
    Como debate esclarecedor para o eleitorado...
    Mais porradas do que propostas.
    Lula conseguiu colocar bem que seu governo melhorou alguns aspectos do país.
    Mas não disse nada do que fará no segundo mandato.
    E Alkmin, mais uma vez, não conseguiu adiantar o que será o seu programa de governo.
    Só disse o que não vai fazer (ou seja, nada do que Lula diz que fará).

    É triste porque o "pais dividido", como bois de parintins, entre o azul e o encarnado, se cinde cada vez mais.
    Se cinde e se ressente de colocações firmes
    ao invés de palavras vazias.

    domingo, outubro 08, 2006




    ANGELI
    (São Paulo, SP)


    Sátira do Amorim


    O chargista e cartunista e caricaturista e quadrinhista Amorim
    companheiro há décadas desta PACATATU
    depois de sua central de desenhos
    resolveu abrir também um blog.

    leia, por exemplo, seu texto sobre o Limbo, aqui.


    Élio Gáspari, definindo o segundo turno:

    O Lula quer me vender um carro usado e o Alkmin quer vender um carro que não mostra.

    A-CABO


    Brasil - os Saltimbancos Trapalhões - 18:30
    Cult - Ata-me! - 20:05
    HBO Plus - Moça com Brinco de Pérola - 20:15 e 23:15
    Cult - Heaven - 22:00
    HBO Plus - A Vila - 22:00 e 01:00
    Eurochannel - o Abismo de um Sonho - 01:00



    Para quem tem isto como parte de sua infância,
    O Canal Brasil começa hoje uma Maratona Trapalhões, onde, a cada domingo, pretende exibir toda a cinematografia do grupo humorístico.
    Nunca gostei muito desse humor popular e trapalhesco, mas respeito a importância que lhe é atribuída.
    Meus irmãos mais novos, por exemplo, são totamente dessa geração trapalhões.
    Hoje o ciclo começa com a adaptação da história dos saltimbancos.

    O programa noturno para mim será o debate Lula x Alkmin na Bandeirantes,
    mas para quem não tiver estomago, ou saco, para o blablablá político, há farta variedade de filmes na TV a cabo.
    As cores de Almodóvar, a iluminação de Vermeer...
    Heaven é filme do Twyker de Run Lola Run com roteiro do Kieslowski
    e a Vila é mais uma chance para discutir se Shyamalan é um blefe ou não.

    Mas o melhor de tudo - trapalhadas em filmes, trapalhadas em debates - está na madrugada: um Fellini.
    Um Fellini antigo, de 52 (seu segundo filme), com roteiro de Antonioni. Imperdível.


    e o blog0news continua…
    visite a lista de arquivos na coluna da esquerda
    para passear pelos posts passados


    Mas uso mesmo é o

    ESTATÍSTICAS SITEMETER