This site will look much better in a browser that supports web standards, but it is accessible to any browser or Internet device.



blog0news


  • Acabar com a corrupção eh o objetivo supremo de quem ainda nao chegou ao poder. (Millor Fernandes)

  • Vislumbres

    Assinar
    Postagens [Atom]

    Powered by Blogger

    Fragmentos de textos e imagens catadas nesta tela, capturadas desta web, varridas de jornais, revistas, livros, sons, filtradas pelos olhos e ouvidos e escorrendo pelos dedos para serem derramadas sobre as teclas... e viverem eterna e instanta neamente num logradouro digital. Desagua douro de pensa mentos.


    sábado, janeiro 23, 2016

    Os tres mosquiteiros


    Marcadores: ,

    Making a Murderer is an incisive portrait of American social class.


     160111_avery

    "Nowhere is this class conflict more raw than in the final episode, when a private investigator—Michael O’Kelly, working for Brendan Dassey’s soon-to-be-fired lawyer, but collaborating with the prosecution—describes the Avery family in an email sent to Dassey’s own lawyer: “This is truly where the devil resides in comfort. I can find no good in any member. These people are pure evil. A friend of mine suggested: ‘this is a one-branch family tree. Cut this tree down. We need to end the gene pool here.’”

    It’s a moment of astonishing cruelty, coming in Dassey’s presence, and following episode after episode emphasizing the teen’s borderline intellectual disability, often in hearings in front of Dassey. But the damning email is the culmination of a theme that begins developing in the first episode: the contempt Manitowoc County’s burgher class has for the marginal Averys, and how that bleeds into the legal system, coming to define the scope of Steven Avery’s life. “They didn’t dress like everybody else; they didn’t have education like other people,” his lawyer in the 1985 rape case, Reesa Evans, tells the filmmakers. “I don’t think it ever crossed their mind that they should try to fit into the community
    .”

    read  the article by Whet Moser>>

    Making a Murderer is an incisive portrait of American social class.:

    Bernie Sanders and the Realists


     

    The argument is forcefully made. However, Sanders, as I understand him, isn’t claiming that his ambitious and costly program is realistic in today’s Washington. To the contrary, he says that the political system is so broken, and so in hock to big money, that it is virtually impossible to effect nearly any substantive progressive change. The only way to make big changes, Sanders argues, is to create a mass movement that faces down corporate interests and their quislings. Once this movement materializes, all sorts of things that now seem out of the question—such as true universal health care, free college tuition, and a much more progressive tax system—will become possible."
    read hte article by John Cassidy

    Bernie Sanders and the Realists - The New Yorker:

    VIa iris; ROOM (dir Lenny Abrahamson rot Emma Donaghue, Canada, 2015)

    Pensei que o filme fosse um thriller sobre uma mãe sequestrada que cria seu filho dentro de um cômodo minúsculo onde todo o mundo dele é aquilo que está ali e ela tece fantasias para que ele (e ela) possam suportar o tédio e o confinamento.

    Esta parte  é angustiante, mas acaba sendo mais sobre as consequências disto, depois, na vida deles e das pessoas próximas a eles. A atuação de Brie Larson é sensacional, assim como a do menino, Jacob Trembley.
    O filme é de Lenny Abrahamson, que ano passado dirigiu o genial  "Frank".

    Netflix's Making a Murderer shows the limits of web sleuthing





    "As one poster on Reddit put it upon learning this Anonymous account: “Yes!!! Modern day justice!!!”

    More damning praise might be difficult to find. The abusive Yelp comments, the request to punish “corrupt officials”, the naming-and-shaming of other potentially innocent people: this is not justice; it’s retribution.

    Worse, it does nothing to fix any of the potential systemic problems highlighted by Avery’s case. Instead, the true, unstated aim of these recurring internet campaigns is to create a separate form of justice, a secondary system that appears more modern, more adaptive and more relevant to our lives than our usual one because it offers a false sense of closure – the kind we seek as TV viewers. It finds someone and it punishes them.

    Despite the myth we perpetuate about the boundless supra-systemic solutions offered to us by the networked world, and the computers of which it consists, walls remain that can’t be dismantled with a workaround"


    read the article by Colin Horgan >> 

    Netflix's Making a Murderer shows the limits of web sleuthing | Television & radio | The Guardian

    DEZ MIL MOTORISTAS DIRIGEM TÁXIS E ÔNIBUS COM HABILITAÇÃO SUSPENSA.



    Untitled-1

    As violações à legislação do trânsito não são os únicos desvios de conduta desses profissionais. Entre 2010 e 2015, a Secretaria Municipal de Transportes emitiu 29 mil multas aos quatro consórcios de ônibus que operam na capital por infrações ao Código Disciplinar dos Ônibus. Normas básicas como atender solicitações de parada para embarque e desembarque e zelar pela segurança dos passageiros são constantemente descumpridas. A quantidade de taxistas multados administrativamente pela prefeitura carioca chegou a 9.935.

    leia mais
    DEZ MIL MOTORISTAS DIRIGEM TÁXIS E ÔNIBUS COM HABILITAÇÃO SUSPENSA. – Mídia Informal

    sexta-feira, janeiro 22, 2016

    Dilma homenageia David Bowie





    (São José do Rio Preto, SP)

    para ver mais charges
    clique em marcadores:charges

    Marcadores: ,

    Discovering Planet Nine


     



     "As best they can determine, the perturber is perhaps ten times more massive than Earth, or roughly half as massive as Neptune, and it is very distant indeed. It follows an eccentric orbit, meaning one that is more elliptical than circular, and comes no closer to the sun than about two hundred and fifty astronomical units. (An astronomical unit is the distance from the sun to Earth, or ninety-three million miles. Jupiter is roughly five astronomical units from the sun, and Pluto averages nearly forty.) At its farthest, the new planet is between six hundred and twelve hundred astronomical units away; if the sun were on Fifth Avenue and Earth were one block west, Jupiter would be on the West Side Highway, Pluto would be in Montclair, New Jersey, and the new planet would be somewhere near Cleveland. It takes between twelve and twenty thousand years to go once around the sun. It is an ice giant, a lonely wanderer and the gravitational bully of the outer solar system. Brown and Batygin call it Planet Nine, and Jehoshaphat, and George. “We actually call it Fatty when we’re just talking to each other,” Brown said."

    read the story by
     Alan Burdick
     Discovering Planet Nine - The New Yorker

    pela cochlea: David Bowie - Quicksand (1971)

    I'm not a prophet
    or a stone age man
    Just a mortal
    with the potential of a superman
    I'm living on
    I'm tethered to the logic
    of Homo Sapien
    Can't take my eyes
    from the great salvation
    Of bullshit faith
    If I don't explain what you ought to know
    You can tell me all about it
    On, the next Bardot
    I'm sinking in the quicksand
    of my thought
    And I ain't got the power anymore

    All of Bach is Putting Bach’s Complete Works Online:





     And of those six works, the fourth, Concerto in G major, is perhaps the most beloved, and most recognizable, of all. Thus it makes a fitting early entry in the expanding archive that is (or will be) All of Bach, a site intending to feature live performances of all 1080 of Johann Sebastian Bach’s works, performed by the Netherlands Bach Society. We’ve drawn your attention to the admirable effort before, and we happily do so again

    All of Bach is Putting Bach’s Complete Works Online: 100 Done, 980 to Come | Open Culture

    Pantalelula





    (Fortaleza, CE)

    para ver outras charges clique 
    em marcadores:charges

    Marcadores: ,

    pela cochlea: David Bowie - Sweet Thing (1974)

    t's safe in the city, to love in a doorway
    To wrangle some screams from the dawn
    And isn't it me, putting pain in a stranger?
    Like a portrait in flesh, who trails on a leash
    Will you see that I'm scared and I'm lonely?
    So I'll break up my room, and yawn and I
    Run to the centre of things
    Where the knowing one says

    Boys, boys, its a sweet thing

    The 5 Best ‘Making A Murderer’ Fan Theories



     "From proposing that the murder was part of a Satanic sex cult to saying that Halbach killed herself, the depths of the Web have run rampant with possible theories. Hopefully with all of this extra attention the case has been getting, we’ll know the truth soon. After all, the hacking collective Anonymous claims it will release critical documents that will help Avery’s case. In the meantime, here are some of the best fan theories surrounding the case. "

    Spoilers ahead.
    The 5 Best ‘Making A Murderer’ Fan Theories | Decider | Where To Stream Movies & Shows on Netflix, Hulu, Amazon Instant, HBO Go

    quinta-feira, janeiro 21, 2016

    Bom dia, Marina





    (Curitiba, PR)

    para ver outras charges
    clique em"marcadores: charges

    Marcadores: ,

    Vi: SPOTLIGHT (Tom MCarthy, EUA, 2015)


    Spotlight é um filme jornalistico. Não só por tratar de jornalistas mas por se ater aos fatos, à investigação, à reportagem se desdobrando. Não tem romancinhos, não tem clichês, não tem roteiro chavão. Não tem efeitos a não ser os provocados pela história chocante. Daí talvez sua maior força.

    Ouvimos o físico nuclear que Época acusa de “terror”



    Ouvimos o físico nuclear que Época acusa de “terror”


    "No último dia 9, em meio à intensa disputa entre partidos políticos sobre a “necessidade” de o país adotar uma lei anti-terrorismo, Hicheur apareceu na capa da revista Época, com uma reportagem intitulada “Um terrorista no Brasil”. A matéria afirmava que havia “um segredo” na biografia do cientista, que estava sendo investigado pela Polícia Federal. Dizia ainda que ele havia recebido “uma bolsa do governo e que ensina em uma universidade pública”. A reportagem citou alguns emails que falavam em atentados terroristas, trocados entre ele e e um interlocutor chamado Phenix Shadow, que segundo o governo francês seria um membro da Al Qaeda. Mas Hicheur e seus colegas reagiram afirmando que a matéria remoeu detalhes velhos do caso já amplamente noticiados na mídia europeia há seis anos. A foto de um Hicheur barbeado foi estampada com um título em vermelho: “terrorista”. A reportagem parecia trazer a mensagem de que o Brasil está sob uma ameaça terrorista. “Não há segredo em meu currículo. Eu cheguei ao Brasil com um visto válido, convidado por um centro de pesquisas. Meu caso é muito conhecido, é passado. Eu sou cientista mas eles me carimbaram como terrorista ao reciclar de forma vergonhosa uma história velha”, protestou Hicheur, com um misto de tristeza e raiva."

    "Mas sua vida e seu passado não são nenhum segredo. Uma simples procura no Google mostra que em 2009, enquanto trabalhava na famosa Organização Europeia de Pesquisa Nuclear (CERN), que abriga um superacelerador de partículas, perto de Genebra, na Suíça, ele foi preso pela polícia francesa. A acusação foi de “formação de quadrilha com um grupo terrorista” (Al Qaeda no Mahgreb). Ele passou 30 meses enjaulado. É também de conhecimento público que a polícia francesa acusou Hicheur devido a 35 emails e conversas virtuais em fóruns na internet com um interlocutor que usava pseudônimo e que alegadamente seria um integrante argelino da Al Qaeda. Durante o julgamento, não se conseguiu apresentar nenhuma prova ou indício de que ele teria tomado qualquer ação para concretizar seus comentários. Sua resposta às acusações é bem conhecida também: ele alega que as conversas online icluíam numerosos tópicos internacionais, que ele nunca planejou nenhum ataque terrorista com ninguém. Há até uma página na Wikipedia sobre Hicheur que compara seu caso com o de Lotfi Raissi, acusado de ser o principal mentor do ataque terrorista de 11 de setembro de 2001 nos EUA, mas depois foi libertado sem qualquer acusação."

    leia a reportagem de Florência Costa e Shobhan Saxena 

    Ouvimos o físico nuclear que Época acusa de “terror”:

    This Photographer Traveled Across the U.S. to Ask Americans Why They Own Guns


     greggtheresa

    At first glance, the people in Kyle Cassidy’s portraits couldn’t look more dissimilar from one another. They’re different ages, races, and genders, and they come from all across the United States. But they all have one thing in common: guns.

    In 2004, Cassidy started wondering why people purchase firearms. To investigate, he bought a gun and started hanging out at a gun store in Philadelphia, where he lives. Over the next three years, he took three cross-country trips, photographing gun owners in their homes along the way. He also asked them a simple question—“Why do you own a gun?”—and recorded their answers. 

     see the gallery and text by Kyle Cassidy
    Kyle Cassidy asked Americans why they own guns (PHOTOS).

     sean

    Saude no Brasil (2)





    (Rio de Janeiro, RJ)
      
    para ver outras charges clique 
    em"marcadores: charges

    Marcadores: ,

    pela cochlea: All the young dudes - Mott the Hoople & David Bowie



    Now Lucy looking sweet 'cause he dresses like a queen
    But he can kick like a mule, its a real mean team
    But we can love, oh yes we can love

    And my brothers back at home with his Beatles and his Stones
    We never got it off on that Revolution stuff
    What a drag, too many snags

    Now I drunk a lot of wine and Im feeling fine
    Gotta race some cat to bed
    Oh is there concrete all around or is it in my head?
    Yeah, Im a dude dad

    O rastro de Scola é profundo, humano e surpreendente


     Morre Ettore Scola

    "Com a morte de Ettore Scola, para o cinema italiano, acabaram os clássicos. E para as pessoas comuns, as que sofreram com Silvio Berlusconi na Itália e qualquer político populista no restante da Europa, as que ainda vivem fazendo malabarismo sobre o vazio da crise econômica, morreu seu cavaleiro andante. Na noite de terça-feira faleceu em Roma, aos 84 anos, Ettore Scola, e com ele se despede um cinema militante, um cinema que falava com e sobre a rua. Da geração de criadores que catapultaram o cinema italiano na segunda metade do século passado restam vivos tão somente os irmãos Taviani, mas o rastro de Scola é mais profundo, humano e surpreendente. Para Ettore Scola importava, e muito, segundo confessava, ser uma boa pessoa, e por isso seus filmes destilavam bondade, algo que nunca preocupou a geração atual de estrelas autorais de seu país: enquanto eles alimentam seu ego, Ettore Scola estimulou o ego do povo. Morreu o vermelho Scola."

     leia o artigo de Gregório Belinchón
     Morre Ettore Scola, clássico do cinema italiano | Cultura | EL PAÍS Brasil

    A reação dos leitores ao novo colunista da Folha de S. Paulo


    printkim1 


    "O esforço de reflexão sobre a decisão da Folha começa por separar pluralismo editorial de informação qualificada. E sobre isso a professora Sylvia Moretzsohn comentou: “Não se trata, obviamente, da minha rejeição a posições de direita. Eu sempre achei que um jornal deve buscar a pluralidade. Mas é preciso buscar também a substância. Como disse uma colega, também professora e jornalista, colunista não é o sujeito que simplesmente vai lá e dá uma opinião: é alguém que traz informação original e qualificada. Definitivamente, não é o caso desse rapaz, que não tem condições de estar em nenhum jornal que se leve a sério”.

    O currículo de Kim Kataguiri não diz tudo sobre ele, obviamente. Mas é preciso destacar o que disse a própria matéria da Folha: ele terminou o ensino médio em 2013, largou o curso de Economia e neste ano pretende cursar Direito numa faculdade inaugurada em dezembro por Gilmar Mendes. E ainda afirmou que vai criticar o jornal constantemente, reforçando minha hipótese para sua contratação: a Folha quer polêmica e cliques.
     No entanto, a aparente força dos números esconde um aspecto qualitativo essencial: o descontentamento dos leitores, que ficou explícito nos comentários. Notem as menções ao cancelamento da assinatura do jornal, uma prova da gravidade da situação. É como se os leitores estivessem dizendo ‘não esperávamos isso de você, Folha’. Enquanto o jornal está atento aos trending topics, os leitores estão reivindicando qualidade."

    leia a análise de Livia de Souza Vieira>>

    A reação dos leitores ao novo colunista da Folha de S. Paulo – objETHOS

    Saude no Brasil (1)




    (Rio de Janeiro, RJ)
      
    para ver outras charges clique 
    em"marcadores: charges

    Marcadores: ,

    quarta-feira, janeiro 20, 2016

    pela cochlea: David Bowie - Cygnet Committee - 1969

    We had a friend, a talking man
    Who spoke of many powers he had
    Not of the best of men but ours
    We used him, we let him use his powers
    We let him fill our needs, now we are strong
     And the road is coming to its end
    Now the damned have no time to make amends
    No purse of token fortune stands in our way
    The silent guns of love will blast the sky
    We broke the ruptured structure built of age
    Our weapons were the tongues of crying rage
    Where money stood, we planted seeds of rebirth
    And stabbed the backs of fathers, sons of dirt
    Infiltrated business cesspools
    Hating through our sleeves
    Yeah, and we slit the Catholic throat
    Stoned the poor on slogans such as
    "Wish you could hear, love is all we need"
    Kick out the jams and kick out your mother
    Cut up your friend, screw up your brother
    Or he'll get you in the end
    And we know the flag of love is from above
    And we can force you to be free
    And we can force you to believe

    Breve tratado da imobilidade urbana



    Breve tratado da imobilidade urbana

    "Uma das experiências temporais mais particulares ao Brasil é a repetição. Ela expressa, de maneira quase didática, a resistência imperial do poder à mudança e sua imunidade surda a toda pressão popular. Um dos exemplos privilegiados da força de tal repetição compulsiva diz respeito ao ritual periódico de aumento da tarifa do transporte público. Desde a Revolta do Vintém, lá pelos idos de 1879, a população brasileira sai periodicamente às ruas contra os preços extorsivos das tarifas. Desde aquela época, os governos, sejam eles de que partido forem, respondem à bala.

    O resultado final foi muito bem descrito por Lucio Gregori. Gasta-se atualmente 13,5 minutos de um salário médio em São Paulo e no Rio para pagar uma tarifa. Em Paris e Pequim, gasta-se 4,5 minutos e em Buenos Aires gasta-se 2,5 minutos. Esses números resumem bem a irracionalidade de ser obrigado a aceitar um serviço entre os mais caros do mundo e criminosamente ruim. O problema não diz respeito ao aumento de tarifa, mas à aplicação de preços abusivos como se isso fosse uma fatalidade natural e inquestionável."

    leia a coluna de Vladimir Safatle

    Breve tratado da imobilidade urbana

    Um momento emblemático do jornalismo: o cancelamento da assinatura da Folha

      
    "A indiferença com que os jornais, impressos especialmente, tratava seus leitores ficou para trás. Profissionais das redações não ligavam para quem telefonava e se queixava de determinada reportagem, título ou omissão. Mandavam, os editores, os leitores "se queixarem com o bispo", ou "ou papa" - nos casos mais graves. Hoje, tempos de internet e redes sociais, os desmandos das redações repercutem e, não raro, alteram o ânimo de redações. O caso em que a professora de jornalismo e representante do Conselho de Ética do Sindicato dos Jornalistas do Rio, Sylvia Moretzsohn decide encerrar a assinatura de quase três décadas com a Folha de São Paulo é exemplo disso. O post tem milhares de curtidas e centenas de compartilhamentos. Algo espantoso e que chegará, certamente, ao comando da redação da Folha. As razões você saberá em seguida."

    leia aqui:

    Conexão Jornalismo

    São Sebastião, padroeiro do Rio de Janeiro





    LEONARDO
    (Rio de Janeiro, RJ)

    quer ver outras charges?
    clique em marcadores:charges

    Marcadores: ,

    Via:iris KUMA (Umut Dag, Austria, 2012)


    Numa aldeia da Turquia, assistimos a um casamento entre uma moça local e um rapagão turco que mora na Austria. Ao chegarmos em Viena, nós descobrimos (e a noiva também) que o casório foi de fachada, devido às leis antipoligamia austríacas, e que ela veio na verdade para ser a segunda esposa de um patriarca.

    Preconceitos, tradições, misoginia e homofobia narrados de maneira interessante e delicada.

    Luiz Antônio Simas: Procissão de santo e festa de caboclo



    De alguma forma, os índios derrotados pelos fiéis do santo acabaram vencendo

    "A cidade, fundada em março de 1565 para garantir o território português, para expulsar os franceses e para liquidar os índios rebeldes, cismou que tinha que ser francesa no início do século 20. A Reforma Passos derrubou cortiços e promoveu a “higienização” — eu uso a terrível expressão da época — social das ruas do Centro, em nome de projeto civilizatório de recorte europeu que sonhava com a Paris nos trópicos. O Rio expulsou os franceses para um dia tentar ser francês, ao menos do ponto de vista simbólico.

    Mas como o Rio de Janeiro não é mesmo para principiantes, o negro centro-africano, banto, chegou um dia às nossas praias e conseguiu, mesmo sendo brutalmente escravizado, impor sua cultura — potente, transformadora e transformada — em contato com o caldo cultural das ruas cariocas. "


    leia a coluna do Luiz Antonio Simas
    Luiz Antônio Simas: Procissão de santo e festa de caboclo - Opinião - O Dia

    terça-feira, janeiro 19, 2016

    Ataques





    (São Paulo - SP)
     quer ver outras charges?
    clique em marcadores:charges

    Marcadores: ,

    pela cochlea: David Bowie Bewlay Brothers

    I was Stone and he was Wax
    So he could scream,
    and still relax, unbelievable
    And we frightened the small children away
    And our talk was old
    and dust would flow
    Thru our veins and Lo!
    it was midnight
    Back o' the kitchen door
    Like the grim face
    on the Cathedral floor
    And the solid book we wrote
    Cannot be found today

    And it was Stalking time
    for the Moonboys
    The Bewlay Brothers

    David Bowie’s 1979 SNL appearance was an artistic “fuck you” to convention






    "As viewers will see, the three short performances are equal parts art piece and musical endeavor, with Bowie, Arias, and Nomi really going for it both conceptually and sonically. It’s quintessential Bowie, and a must watch for anyone mourning the fallen icon.
    "
    "Bowie also performed in a green screen suit with a body puppet superimposed over top of him, cutting edge technology for that the time. He infamously ended the performance by flashing the puppet’s penis, but that sadly has been removed from the below clip." 

    watch it here>>
    Saturday Night live shares three vintage David Bowie performances from 1979 — watch | Consequence of Sound

    What Happened To Steven Avery's Kids?



     "Avery’s ex-wife Lori still lives close to the small town where she and Avery raised their children, and the Avery family remains fairly tight-knit and insular, even though they seem to have written their father off completely. According to Milwaukee Magazine, Avery’s brother Earl said his brother was manipulative and intimidating and Avery would call Earl from prison when Earl was only 14 or 15, “[ordering him] to have sex with...Lori.” Another of Avery’s brothers, Chuck, told the magazine that “Steven was a controller,” and that they both sided with Avery’s nephew, Brendan Dassey, who was also implicated in Avery’s murder charge, believing that he was coerced by Avery."

    read more>>

    What Happened To Steven Avery's Kids? They Cut Ties With Their Father Early On | Romper

    Dilma só tem duas mãos



    (Rio de Janeiro, RJ)

    para ver outras charges
     clique em marcadores:charges

    Marcadores: ,

    pela cochlea: DAVID BOWIE - Ashes To Ashes Live (2000)

    Laerte Coutinho e as duas caras do Brasil


     

    "No geral me tratam com muito respeito e carinho. Fico surpresa em constatar isso num país que mata travestis de forma bárbara e trata mulheres da mesma maneira. Fico me perguntando se sou uma privilegiada por ser branca, jornalista e conhecida.

    Quando fiz a transição estava no meu momento de maior popularidade e não perdi leitores. Virei a cara da transexualidade no Brasil. É importantíssimo que existam modelos positivos. Não tive isso quando jovem."


    leia a entrevista para Raquel Seco
    Laerte Coutinho e as duas caras do Brasil | Estilo | EL PAÍS Brasil

       

    'O menino e o mundo': “Que fermento é esse que colocaram na animação brasileira?”


     

    "Não era a primeira vez que em Annecy se celebrava o Brasil. No ano imediatamente anterior, Luiz Bolognesi tinha, ele também, atendido a imprensa, na ocasião para comentar seu Uma história de amor e fúria, que levou o mesmo troféu de Alê Abreu em 2013. Ambos diretores, Bolognesi e Abreu – hoje parceiros na produção de seus próximos filmes – trataram de explicar seus trabalhos à luz do que julgam fermentar a animação brasileira: mentes criativas que alicerçam seus filmes no país, a partir de esforços constantes e individuais. “Nunca quisemos ser o braço barato da indústria, como acontece em outros lugares, como Coreia do Sul e Índia, por exemplo”, disse Abreu."


     leia mais
    'O menino e o mundo': “Que fermento é esse que colocaram na animação brasileira?” | Cultura | EL PAÍS Brasil

    Atrasos na liberação de verbas ameaçam, de novo, projeto de ecobarcos na Baía


     

    A 200 dias das Olimpíadas, a falta de pagamento ameaça paralisar um projeto que retira até 80 toneladas por mês de lixo flutuante da Baía de Guanabara, que receberá as provas de velas dos Jogos. As três empresas responsáveis pelo trabalho dos ecobarcos que realizam a limpeza estão sem receber há pelo menos três meses.

    leia a reportagem de Luiz Gustavo Schmitt

    Atrasos na liberação de verbas ameaçam, de novo, projeto de ecobarcos na Baía - Jornal O Globo

    Song Exploder | A David Bowie Playlist





    "It's hard for us now to imagine the emotional moment of 1969, with all the war, violence, unrest and upheaval taking place. The world-historical venture into space, armed with science and human confidence, wasn't yet a fait accompli. We still could have fucked it up, left dead astronauts on the lunar surface, surrendered to the impossibility of Kennedy's hubristic challenge and Vietnammed ourselves into a death throe. Instead, we succeeded, and Bowie more than any other artist made outer space the dominant theme of his work for many years after. His persona allowed him to comment on contemporary events from a place that felt like objectivity. Bowie saw us like an alien might, but he loved us and got bloody with us because he was trapped here, or emigrated here on his own, so he took our side. Bowie screeched and squawked and filled his music with unearthly noises and we accepted it because we were so flattered that this metallic space Phoenix was interested in talking to us. The appeal of the Rolling Stones was that you were supposed to feel lucky some cool junkies invited you to listen to their sex party through a keyhole, but Bowie had a message about the salvation of humanity. He seemed to be telling us that the looming apocalypse was survivable? Escapable, maybe? Maybe not, though. Maybe we should just quit fighting and have sex a lot until the fire tornados come? Maybe Major Tom experienced a malfunction and his spacecraft was lost, but more likely Major Tom severed his own tether for reasons known only to him. Maybe he saw something, or someone was waiting out there for him, or he realized the futility of our seeking, or he found what we're all seeking in the eternal quiet. "

    read and listen
    Song Exploder | A David Bowie Playlist

    pela cochlea: Dean Ford & Joer Tansin - Reflections of My Life 1969/2014

    Mineração está matando outro grande rio no Pará. Quem liga?


     A morte anunciada chegou: Adeus Tapajós, adeus encontro das águas, adeus praias, adeus Alter do Chão...

     Imagem do Tapajós e do lago de Alter do Chão, de dentro de um avião comercial, em setembro de 2012. À esquerda, a 600 metros de altura, já era possível observar a mudança de cor do Tapajós

    E agora, como ficará a nascente indústria do turismo que hoje emprega milhares de pessoas ao longo do rio entre Santarém e Itaituba? E a saúde pública, ameaçada pela contaminação dos cardumes por metilmercúrio? E a economia, de modo geral, do Oeste do Estado? E as decantadas belezas daquela região, que atrai os próprios moradores e visitantes de muitas outras partes do Brasil e do exterior?


    Talvez ainda agora, hoje, alguém haverá de negar a realidade que está aí diante dos olhos: a poluição por barro, mercúrio, cianeto, sabões, detergentes, graxas e combustíveis tudo isso está agora chegando à frente de Santarém, matando o o encontro das águas e fazendo desaparecer a coloração verde/azulada cuja beleza sempre foi uma das características da foz do Tapajós, onde o grande rio deságua no Amazonas.
     
    leia mais: 

    PORTAL SANTARÉM DA DEPRESSÃO - Notícias de Santarém: A morte anunciada chegou: Adeus Tapajós, adeus encontro das águas, adeus praias, adeus Alter do Chão...

    segunda-feira, janeiro 18, 2016

    Índio não pode ter terra




    (Rio de Janeiro, RJ)
      
    para ver outras charges clique 
    em"marcadores: charges

    Marcadores: ,

    Delação premiada


    (Salvador, BA)
    quer ver mais charges?
    clique em marcadores: charges

    Marcadores: ,

    Via iris: 45 YEARS (Andrew Haig, Inglaterra, 2015)

    Soberbo pas-de-deux entre Charlotte Rampling e Tom Courteney.
    Às vésperas da festa por um casamento de 45 anos, chega uma carta e...

    como escreve o crítico Alejando Alemán:
    Esta es una cinta radical, toda la trama pende de una sóla escena y una sola pregunta. La escena: aquella en que Charlotte Rampling nos destruye con una sola mirada; la pregunta: ¿qué sigue después?

    nos fios tensos da pauta de metal





    (São Paulo - SP)

     quer ver outras charges?
    clique em marcadores:charges

    Marcadores: ,

    pela cochlea: David Bowie - Yassassin

    We came from the farmlands
    To live in this city
    We walked proud and lustful
    In this resonant world
    You want to fight
    But I don't want to leave
    Or drift away

    PALAVRAS


    Os brasileiros caretas estão ocupando muito espaço na mídia, nas redes sociais e nas ruas. Eles saíram do armário e trazem às ruas sua baba e seu mimimi retrógrado. Mas isso com certeza é uma reação às conquistas institucionais que os avanços comportamentais impuseram nos últimos tempos. Ou seja, o Brasil ficou menos careta, mas os caretas ficaram mais agressivos e incisivos em sua caretice e suas patrulhas. Bateu o desespero, eles perderam e são atropelados pela história. Quanto mais cara feia fizerem, mais sorriso e flor devemos mostrar a eles. Quanto maior a burca que eles querem nos impor em pleno sol do meio-dia, mais vezes tomamos banhos pelados no mar em noites de lua. Ou sem lua mesmo.

     – Chico César

    domingo, janeiro 17, 2016

    pela cochlea: Suffragette City David Bowie

    Wham. Bam. Thank you m'am.

    Star Wars no Brasil


    (Campinas, SP)
    para ver outras charges clique 
    em"marcadores: charges

    Marcadores: ,

    via iris : BIG EYES (TIm Burton, EUA, 2014)


    foi ínteressante rever big eyes logo apos assistir a love & mercy. os dois filmes tem picaretas psicopatas no seu delirio e autocentrismo. e personagens totalmente dominados por esses picaretas (e tem sua arte recanalizada).

    neste, Christopher waltz está um espetáculo. vi: BIG EYES (TIm Burton, EUA, 2014)

    20 Great David Bowie Moments



     When a truly iconic figure dies, any attempt to properly remember that person is doomed to failure. When the truly iconic figure is David Bowie, standard obituaries aren’t just trite; they become thin and glib and insignificant. There’s just no way for a writer to possibly trace Bowie’s influence. It can’t be done. Looking at the musical landscape today, it’s possible to see traces of Bowie all over the place. If you’re looking for it, you can find it in Kanye West, in Grimes, in Dawn Richard, in Tame Impala, in Janelle Monaé, in St. Vincent, in Sleater-Kinney, in Young Thug. And that’s even before you get into Bowie’s seismic influence on fashion, on art, on film, on science fiction, on identity and sexuality. His life contained multitudes. You can’t encapsulate all of it. It can’t be done.

    So rather than attempt to sum up the fullness of Bowie’s life — I’ve already failed at that — I’ve tried something else instead: A collection of 20 fairly random moments from Bowie’s career that I had fun thinking about.

     check out the article by Tom Breihan
    20 Great David Bowie Moments - Stereogum:

    Watch Arcade Fire & Preservation Hall Jazz Band’s Second Line For David Bowie







    Arcade Fire and the Preservation Hall Jazz Band held a second line in New Orleans today in honor of David Bowie. Mourners and revelers dressed in their best Bowie costumes and assembled at Preservation Hall at 4PM to kick off the “Pretty Things” parade, named for the Hunky Dory track “Oh! You Pretty Things,” before winding their way through the French Quarter. Watch clips of Win Butler leading the joyous celebration of Bowie’s life and legacy below.

    watch it here: 
    Watch Arcade Fire & Preservation Hall Jazz Band’s Second Line For David Bowie - Stereogum

    The original newstory that became the book and movie SPOTLIGHT


    Church allowed abuse by priest for years

    Aware of Geoghan record, archdiocese still shuttled him from parish to parish

    Read more from the 2002 Boston Globe report on the Catholic Church abuse crisis. This article was prepared by the Globe Spotlight Team: reporters Matt Carroll, Sacha Pfeiffer, and Michael Rezendes; and editor Walter V. Robinson. It was written by Rezendes.

    read it here: 

    Church allowed abuse by priest for years - The Boston Globe

    PALAVRAS



    Nunca vi um fanático com senso de humor. Nem uma pessoa com senso de humor se tornar fanática, a não ser que perca a graça. Um fanático pode ser sarcástico, mas não tem a capacidade de rir de si mesmo, que é o melhor antídoto para o fanatismo. Curiosidade, empatia e compaixão são formas de se colocar no lugar do outro. O que não significa necessariamente aceitar o ponto de vista do outro, nem oferecer a outra face ao inimigo. Apenas imaginar: “e se eu fosse ele?”. Fanáticos nunca fazem isso. Fanáticos são pontos de exclamação ambulantes.

    - Amos Oz


    e o blog0news continua…
    visite a lista de arquivos na coluna da esquerda
    para passear pelos posts passados


    Mas uso mesmo é o

    ESTATÍSTICAS SITEMETER