This site will look much better in a browser that supports web standards, but it is accessible to any browser or Internet device.



blog0news


  • TA TUDO MUITO ESQUISITO, DEPOIS QUE VISUAL VIROU QUESITO

  • Vislumbres

    Powered by Blogger

    Fragmentos de textos e imagens catadas nesta tela, capturadas desta web, varridas de jornais, revistas, livros, sons, filtradas pelos olhos e ouvidos e escorrendo pelos dedos para serem derramadas sobre as teclas... e viverem eterna e instanta neamente num logradouro digital. Desagua douro de pensa mentos.


    sábado, março 04, 2017

    Bate-bolas: Os reis do Carnaval do subúrbio carioca mantêm seu reinado entre o terror e a arte


      A turma Visão, do bairro de Oswaldo Cruz, homenageou o Capitão América. Os entendidos falam que existem entre 400 e 700 grupos, de cinco a mais de cem membros, um número impossível de comprovar.

    "Nas praças da zona norte e oeste da cidade – e em alguns bairros da Baixada Fluminense –, não há rainhas da bateria, nem blocos, nem foliões vestidos de Frida Kahlo ou de Muro de Trump. Aqui, a pelo menos uma hora de carro do Pão de Açúcar, os reis do Carnaval são os bate-bolas, turmas de homens mascarados com fantasias tão belas como assustadoras. São palhaços com rostos diabólicos, mas vestidos delicadamente com volumosos macacões de cetim, luvas, meias e penas coloridas, além de casacas com desenhos infantis feitos a mão e cheios de purpurina. Seus nomes – Amizade, Cobra, Agonia, Magnata, Zorra Total, Fascinação, Talibã... – penetraram nos bairros de Marechal, Madureira, Bangu, Realengo, Piedade, Jacarepaguá ou Cidade de Deus. Patrimônio Cultural Carioca desde 2012, os entendidos falam que existem entre 400 e 700 turmas, de cinco a mais de cem membros, um número impossível de comprovar.

    Amarrados a uma tradição de mais de 80 anos, os bate-bolas, também chamados de clóvis – uma evolução da palavra inglesa clown que significa palhaço –, passam o ano inteiro costurando sua própria fantasia, longe do Sambódromo e fora do sinal das transmissões oficiais de televisão. "


    leia reportagem de MARIA MARTÍN

    Bate-bolas: Os reis do Carnaval do subúrbio carioca mantêm seu reinado entre o terror e a arte | Brasil | EL PAÍS Brasil

    fotos ALAN LIMA

      A turma do Cobra recuperou neste ano o tema de 1995, uma homenagem a Conan. Eles lembram desse ano como o momento no qual a turma deixou claro quem ia mandar em Marechal Hermes. "Demos um basta à invasão de outros grupos", conta o líder, Rodrigo. Depois de 25 anos de história, os Cobra consideram-se os mais numerosos e temidos.

    0 Comentários:

    Postar um comentário

    Assinar Postar comentários [Atom]

    << Home


    e o blog0news continua…
    visite a lista de arquivos na coluna da esquerda
    para passear pelos posts passados


    Mas uso mesmo é o

    ESTATÍSTICAS SITEMETER