This site will look much better in a browser that supports web standards, but it is accessible to any browser or Internet device.



blog0news


  • O PROBLEMA DO MUNDO DE HOJE EH QUE AS PESSOAS INTELIGENTES ESTÃO CHEIAS DE DUVIDAS, E AS PESSOAS IDIOTAS ESTAO CHEIAS DE CERTEZAS. (BUKOWSKI)

  • Vislumbres

    Powered by Blogger

    Fragmentos de textos e imagens catadas nesta tela, capturadas desta web, varridas de jornais, revistas, livros, sons, filtradas pelos olhos e ouvidos e escorrendo pelos dedos para serem derramadas sobre as teclas... e viverem eterna e instanta neamente num logradouro digital. Desagua douro de pensa mentos.


    segunda-feira, junho 06, 2022

    Não procure os sinais da pulsão de morte na violência, mas na resignação


    Ação da Polícia Rodoviária Federal em Sergipe provoca a morte de Genivaldo de Jesus Santos

    Ação de agentes da Polícia Rodoviária Federal em Sergipe resulta em morte de Genivaldo de Jesus Santos - Reprodução 

    Vera Iaconelli


    Diante de mais um massacre de crianças em escolas norte-americanas, o extermínio perpetrado pelo Estado na Vila Cruzeiro e a sessão de tortura e morte na viatura da Polícia Rodoviária Federal do Sergipe, nos vemos oscilando entre o ultraje e a apatia.

    violência se tornou tão frequente que ficou difícil acreditar que há saídas.

    No entanto, é disso mesmo que se alimenta o mal que nos habita. Se querem procurar um dos sinais de prevalência da pulsão de morte, não o façam no gesto violento —essa é uma leitura simplista e incorreta da pulsão. É na resignação diante do horror, no deixar ruir e deteriorar sistematicamente, que vemos como a pulsão de morte pode preponderar, separando-se das outras pulsões que lhe fazem contraponto.

    Que as coisas se deteriorem e acabem faz parte da possibilidade de que algo novo advenha, num jogo no qual se encontra a própria força criativa. Mas a resignação diante do horror acontece quando temos a desfusão das pulsões, ou seja, a perda da relação intrínseca entre pulsão de morte e de vida.

    Se nos fazemos de impotentes, negamos nossa responsabilidade pelos acontecimentos, justificando que o mundo é grande demais para que possamos fazer frente a ele. Mas vale lembrar que gestos individuais não se dão no vácuo e cada fala que emitimos opõe ou valida a anterior.

    texto de Reinaldo José Lopes nesse jornal é um primor de concisão e relata os efeitos mensuráveis que os discursos de ódio têm sobre os atos de violência e arbitrariedade com os quais convivemos. O discurso autoriza atos, incentiva comportamentos e compartilha responsabilidades, para o bem e para o mal.

    Em 2021, Jillian Peterson, professora associada de criminologia, e James Densley, professor de Justiça criminal lançaram o livro "The Violence Project: How to Stop a Mass Shooting Epidemic" ("O Projeto Violência: Como Parar uma Epidemia de Tiroteios em Massa"), considerado o estudo mais profundo sobre o tema. Entre as questões levantadas pelos autores, temos a urgência no controle de armas e a identificação de doenças psíquicas não tratadas, uma vez que os assassinatos também são atos suicidas, pois incluem a expectativa de morte do próprio atirador.

    A América do Norte tem servido de modelo para uma parte dos brasileiros que acredita que os EUA encerram o exemplo de civilidade a ser seguido. No entanto, o discurso armamentista, a ideia de supremacia branca, o consumo irresponsável que exaure a vida, o dinheiro como única medida de reconhecimento social e a celebridade a qualquer preço têm relação direta com massacres.

    No Brasil, temos o veto do presidente ao nome de Nise da Silveira para o panteão dos heróis nacionais, num discurso claro contra o tratamento humano aos doentes mentais. Seu efeito em ato foi documentado no assassinato brutal de um jovem esquizofrênico pela polícia Rodoviária Federal do Sergipe. A retórica de que a arma defenderia o cidadão se junta ao fato de que o Brasil tem o mais baixo nível de confiança entre as pessoas 4,69% (a média mundial é 25% e, em alguns países da OCDE, é 45%) engrossando o caldo no qual chafurdamos.

    Na conjunção entre discursos que promovem a violência contra os sujeitos sem "foro privilegiado" (político, racial, de gênero ou classe), liberação das armas e descaso com a saúde mental temos o caldo para os massacres que assistimos diuturnamente.

    Nem a riqueza, nem a educação norte-americanas são suficientes para impedir a progressão dessas tragédias, porque, como explicam Peterson e Densley, as ações necessárias para impedi-las esbarram em polarização política e interesses econômicos.

    Não há mais espaço para subestimar os efeitos dos discursos e desresponsabilizar quem faz, quem incentiva e quem se omite diante do descalabro.


    FOLHA


    0 Comentários:

    Postar um comentário

    Assinar Postar comentários [Atom]

    << Home


    e o blog0news continua…
    visite a lista de arquivos na coluna da esquerda
    para passear pelos posts passados


    Mas uso mesmo é o

    ESTATÍSTICAS SITEMETER