This site will look much better in a browser that supports web standards, but it is accessible to any browser or Internet device.



blog0news


  • TA TUDO MUITO ESQUISITO, DEPOIS QUE VISUAL VIROU QUESITO

  • Vislumbres

    Powered by Blogger

    Fragmentos de textos e imagens catadas nesta tela, capturadas desta web, varridas de jornais, revistas, livros, sons, filtradas pelos olhos e ouvidos e escorrendo pelos dedos para serem derramadas sobre as teclas... e viverem eterna e instanta neamente num logradouro digital. Desagua douro de pensa mentos.


    sexta-feira, agosto 26, 2016

    A DEFESA DE DILMA É QUASE INFANTIL

    De   MARINGONI

    A DEFESA DE DILMA É QUASE INFANTIL

    A poucos dias do "julgamento" do processo de impeachment pelo Senado Federal, vale a pena examinar a linha de defesa que a presidenta Dilma Rousseff tem externado em discursos e entrevistas.
    Ela se baseia em duas ordens de raciocínio:


    1. "Sou honesta" e
    2. "Tenho 54,5 milhões de votos".

    São argumentos pueris. Parece que a mandatária - e boa parte de seus correligionários - acreditam, de forma ingênua, estar diante de um julgamento de verdade.

    Se fosse um julgamento, jamais poderia ser realizado pelo poder Legislativo. Teria de ser levado ao Judiciário, com promotoria e defesa embasados em sólida argumentação legal.

    DESPREPARO

    Dilma está diante de um sentenciamento político e não compreender isso é mais um sinal de seu despreparo para a vida pública. 


    (Dê-se o desconto que a chefe do Executivo está sendo jogada às feras por seu próprio partido. Incapaz de divergir publicamente quando ela tinha a caneta de nomeações, o PT agora a deixa na mão ao não se movimentar claramente contra o golpe e ao externar uma deliberação contrária a uma proposta sua, a do plebiscito. Por pior que seja a sugestão, a hora agora seria a de lhe dar apoio irrestrito e não a de fazer marola).

    O despreparo de Dilma não está apenas na crença do julgamento "técnico" , mas principalmente em não ver que os motivos de sua defenestração não estão no terreno da moral.

    Estão no fato de ter feito um governo de direita.

    Aqui a ironia. Getulio e Jango - de formas distintas - foram expulsos da cadeira presidencial por esboçarem e tentarem desenvolver políticas progressistas.
    Dilma cai por fazer uma politica de direita num momento em que a direita não precisa mais de intermediários.
    BASE SOCIAL

    O grande diferencial de Lula e da reação brasileira era sua base social. Até porque, entre 2003 e 2005, o ex-metalúrgico aplicou um rígido ajuste fiscal, capitaneado por Antonio Pallocci e Henrique Meirelles.


    A base social e seu diálogo com forças democráticas permitiu que a ortodoxia fosse aplicada sem grandes contratempos, a começar pela reforma da Previdência.

    A coisa mudou no superciclo das commodities, entre 2005 e 2012, quando o excedente externo possibilitou o conhecido jogo do ganha-ganha, que todos conhecem.

    Ao enganar seus eleitores com o estelionato eleitoral de 2014, Dilma pensou estar sendo esperta. Não estava e ali atraiu contra si as forças golpistas.

    PERCEPÇÂO

    Muitos líderes de esquerda falam - com razão - que a população ainda não percebeu a existência de um golpe. Falta um detalhe: não percebeu porque a vida piorou tanto sob Dilma II, que ninguém nota muita diferença com os três meses sob Temer. 


    A ilusão perdurará até as medidas regressivas serem aprovadas e seu efeito deletério sobre o mercado de trabalho se fazer sentir. Isso acontecerá só depois das eleições, ou seja, daqui a alguns séculos, na conta dos golpístas.

    Dilma prega no vazio, seja pelo discurso sem bússola, seja pelo diferencial entre as duas gestões. A alta da inflação, os 11 milhões de desempregados, a recessão planejada e o desarranjo econômico geral são obras suas. Temer irá aprofundá-las, mas isso não se sente nas ruas ainda.

    Por fim, não adianta falar em 54 milhões de votos. É certo que os golpistas não têm votos e nem seu programa passaria pelas urnas, como também argumenta Dilma. 

    Falta ela lembrar que as iniciativas de seu segundo mandato tampouco lhe renderiam a vitória.
    Por vontade própria, ela incinerou essa montanha de sufrágios na pira do financismo galopante que chamou para si.

    Não foi um erro. Foi uma opção racional.

    O que vem pela frente é muito pior do que o governo Dilma jamais foi.

    Fazer o balanço de como chegamos até aqui é essencial para enfrentar essa brutalidade e essa ilegitimidade política.

    0 Comentários:

    Postar um comentário

    Assinar Postar comentários [Atom]

    << Home


    e o blog0news continua…
    visite a lista de arquivos na coluna da esquerda
    para passear pelos posts passados


    Mas uso mesmo é o

    ESTATÍSTICAS SITEMETER